Skip to main content

      Previous Page

      Qual será o “novo normal” do ensino superior após o COVID?

      O ensino híbrido desempenhará um papel fundamental à medida que o ensino superior superar a pandemia e traçar um novo caminho para o futuro.

      O último ano de convívio com a pandemia acelerou muitas tendências educacionais que já vinham ganhando força. Uma das tendências mais importantes para o futuro é o ensino híbrido. 
      O ensino híbrido combina o ensino presencial com as aulas online. Ele é amparado por uma estrutura tecnológica que ajuda os professores a organizarem o conteúdo do curso, a comunicação e os fluxos de trabalho comuns. Talvez o mais importante é que ele se baseia nos pontos fortes de ambas as abordagens – presencial e online – oferecendo em um cenário ideal a flexibilidade do aprendizado remoto com o envolvimento das interações presenciais. 

      O COVID-19 foi o catalisador que estimulou a transição de muitos tipos de atividades cotidianas para um ambiente exclusivamente remoto. Agora, à medida que criamos um plano para o “novo normal” de muitas atividades essenciais, como a escola, adotar uma abordagem consistente para o aprendizado aprimorado pela tecnologia em todo o segmento acadêmico, seja na faculdade ou na universidade, é fundamental para enfrentar a próxima onda de desafios educacionais.

      O surgimento do aluno contínuo

      Ao longo da última década, a educação superior na América do Norte tem lutado contra uma tendência preocupante de diminuição do número de matrículas. Como resultado, vimos o fechamento de instituições de ensino, orçamentos mais enxutos e um discurso crescente sobre quais passos o ensino superior deve dar para virar a maré. 

      É justamente aqui que, em meio a todo o estresse e incerteza, a pandemia criou alguns pontos positivos – criou oportunidades para apoiarmos os alunos de maneiras novas e que seguirão evoluindo. Por exemplo, atualmente há um aumento na demanda para aprimorar e requalificar alunos adultos. Nos últimos quatorze meses, muitos decidiram ou foram forçados a mudar de carreira, o que geralmente não exige a conquista de um diploma tradicional de dois ou quatro anos. Para muitos, esses programas são simplesmente muito intensos no consumo de dinheiro ou tempo.

      Isso significa que devemos construir novos caminhos para que os alunos adultos cultivem as habilidades profissionais e pessoais necessárias para mudarem de carreira, e esse trabalho está acontecendo agora em empresas e instituições educacionais em todo o país. Há muita discussão sobre como exatamente essas novas abordagens híbridas serão utilizadas para apoiar o novo “aprendiz contínuo”. O que fica evidente é que o ensino híbrido será um componente fundamental. Isso ocorre porque a tecnologia equipa o corpo docente com as ferramentas e o suporte necessários para um cenário em constante mudança. Entregar conteúdo de cursos é um exemplo perfeito, já que um curso híbrido pode ser adaptado mais facilmente a novas modalidades para atender a diferentes tipos de alunos. 

      Oferecendo aos alunos uma experiência de usuário mais consistente

      Um dos comentários mais comuns que os desenvolvedores de edtech (tecnologia educacional) recebem inclui um assunto sobre o qual temos pouco controle: “Faça com que meus professores usem mais a tecnologia... faça com que eles a usem melhor”. Simplificando, os alunos querem uma experiência de usuário mais consistente abrangendo como seus professores usam a tecnologia. Chamamos isso de UX no universo do software. Ter um bom UX traz vários resultados positivos, tais como os alunos usarem os canais de feedback com mais frequência, fluxos de trabalho com exercícios mais consistentes e o aproveitamento de recursos como listas de tarefas com mais frequência e eficácia.

      De fato, existem algumas figuras respeitadas no segmento educacional, como John Spencer, que realmente analisaram como os educadores podem usar a abordagem de design de UX para criar cursos mais envolventes e impactantes. Os princípios básicos do design UX não são tão complexos assim e envolvem princípios como: projetar para seus usuários (não para você), fornecer fluxos de trabalho claros, coletar feedback e usar dados. Mesmo que pareçam abordagens de senso comum, quando aplicadas, podem impactar significativamente os resultados dos alunos.

      Quer eles estejam cursando Álgebra 1 ou Cálculo Multivariável Avançado, é uma expectativa razoável que os alunos tenham uma experiência semelhante navegando em suas aulas on-line, independentemente de ser educação geral, um curso superior, uma especialização ou até mesmo um curso totalmente remoto que eles estejam fazendo como parte de um programa de certificação da mesma instituição. A chave aqui é que as instituições devem aplicar essa mentalidade de UX design coletivamente, em todos os cursos, programas e departamentos. Fazer isso requer priorizar o planejamento, o suporte ao design educacional, o uso de cursos planejados e a oferta de modelos. Talvez o mais importante seja priorizar o treinamento e suporte para educadores menos experientes em tecnologia para fazer a mudança acontecer de verdade.

      Usando os dados para benefício dos alunos 

      O uso de dados na educação é um assunto delicado. Em primeiro lugar, devemos proteger o direito dos alunos à privacidade. Ao mesmo tempo, quando usados de forma consciente e adequada, os dados podem melhorar muito a qualidade da educação que os alunos recebem. Atingir esse equilíbrio é complicado e fundamental.

      No universo do software, a frase “lixo dentro, lixo fora” significa que dados incompletos ou imprecisos levam a resultados incompletos ou imprecisos. Sabemos pelo uso mais amplo da tecnologia que os pontos cegos ocorrem quando uma parte da tecnologia não é adotada de forma consistente em toda a base de usuários. A partir desses pontos cegos podem surgir narrativas falsas, que resultam na incapacidade de uma organização identificar problemas enquanto eles ainda são solucionáveis. 

      Embora não seja o principal motivo para implementar o ensino híbrido, um benefício adicional é que ele fornece às faculdades e universidades os dados necessários e de alta qualidade para ajudá-las a fazer diferenciações fundamentais para apoiar suas populações estudantis. Essa tomada de decisão baseada em dados será essencial para ajudar as escolas a enfrentarem diferentes desafios, tais como o declínio das matrículas e a mudança na dinâmica dos alunos. É justamente neste ponto que a consistência é importante. Se os dados da sala de aula – os dados mais impactantes e oportunos que podemos ter sobre nossos alunos – não estão sendo coletados de forma consistente, ficamos com uma imagem lamentavelmente incompleta de nossos alunos. É por isso que uma abordagem consistente em todo o campus para o ensino híbrido garante que dados precisos possam beneficiar os alunos.

      À medida que voltamos nossa atenção para a vida após o COVID-19 e buscamos um novo normal para nossos alunos, temos a oportunidade de definir o que vem a seguir. Quando usado de forma consciente e consistente, o ensino híbrido tem o poder de apoiar os nossos alunos e garantir que nossas instituições acadêmicas possam continuar a fornecer uma educação de alta qualidade, independentemente do futuro.